Para um astro ser classificado como um planeta, se deve respeitar 3 regras.

  1. Ele tem que orbitar uma estrela, exemplo: a “Terra orbita o Sol”, que é uma estrela.
  2. Tem que ter uma massa suficiente pra se tornar esférica pela sua própria gravidade.
  3. E por fim, que tenha limpado a sua órbita vizinha.

Plutão portando se enquadra em todos esses requisitos, por isso ele ficou muitos anos conhecido como planeta.

Mas por volta do ano de 2003 no observatório instalado na Califórnia, astrônomos varriam o céu à procura de outros corpos celestes, quando descobriu um astro depois de Plutão no cinturão de Kuiper, com características de um planeta, como mostra a figura abaixo. O corpo descoberto pelos astrônomos se chama Éris. Percebe-se que sua órbita está muito além de Plutão.

Este novo corpo celeste encontrado era maior que o planeta Plutão. Daí surgiram várias dúvidas a respeito dos planetas estudados.

  •          O que fazer com esse novo corpo encontrado?
  •          Classificar como Planeta ou não?
  •          Seria ele o décimo planeta do sistema solar?
  •          Se classificar esse corpo em outra classe, deveriam incluir plutão, pois era menor que Éris.

Estas eram as dúvidas dos astrônomos. Mas em 2006 os astrônomos fizeram uma reunião e por unanimidade classificou Plutão, Éris, Ceres, Makemake e Haumea, como “planeta anão” por ser muito menor que os demais planetas.

Éris ganhou esse nome por causa da mitologia grega, que era a deusa da discórdia.

Portando nosso sistema solar só possuem 8 planetas, que são: Mercúrio, Vênus(estrela Dalva), Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano e Netuno.

Curiosidade

O Planeta anão foi descoberto em 1930 pelo astrônomo Clyde Tombaugh, um americano de 24 anos.

Ilustração da Sonda New Horizons.

Em 2015 a sonda New Horizons uma missão não tripulada da NASA chegou ao planeta anão Plutão, o objetivo era estudar o planeta, suas cinco luas e o Cinturão de Kuiper (localizado após a sua órbita).

A viagem do New Horizons levou 9 anos para se aproximar de Plutão. Em 14 de julho a sonda passou a 12,5 mil quilômetros de sua superfície, o mais perto que chegou. Esta foi a primeira vez que uma sonda chega perto do planeta anão. Centenas de fotos foram tiradas do planeta, inclusive a que está em destaque na página.

A sonda levou consigo parte das cinzas do cientista descobridor do planeta, Clyde Tombaugh . As cinzas foram colocadas em uma vasilha anexada no interior da nave.

Clyde Tombaugh descobriu Plutão em 1930.

Junto as cinzas, encontra-se a seguinte mensagem:  “Internado aqui estão os restos do americano Clyde W. Tombaugh, descobridor de Plutão e ‘terceira zona’ do Sistema Solar. Menino de Adelle e Muron, marido de Patrícia, pai de Annette e Alden, astrônomo, professor, piadista e amigo: Clyde W. Tombaugh (1906-1997).”

Um fato interessante que a sonda desvendou foi: o planeta tem cerca de 2.370 Km de diâmetro, o que significa que tem uma densidade menor do que se pensava e mais gelo em seu interior do que cogitavam os cientistas.

Só lembrando que, todos os outros planetas já foram visitados por sondas não tripulado

Referência:

BANDEIRA, E. G. S. Por que o planeta Plutão não é mais considerado planeta. Disponível em<http://astronomiareal.blogspot.com.br/2011/04/plutao-nao-e-mais-considerado-planeta.html&gt; Acesso em: 20 fev. 2017.

Anúncios