Desde os primórdios até os dias contemporâneos, os homens fascinados pelo Universo, Astros e Estrelas, buscaram explicações para os fenômenos que os rodeavam. Até hoje novas descobertas são feitas, tornando assim a Astronomia uma Ciência dinâmica e de suma importância à formação humana. Em decorrência dessa importância, as escolas são instruídas a abordar o assunto. Como consta no PCN (Parâmetro Curricular Nacional, 1998).

O aluno ao ingressar no ensino fundamental traz consigo conceitos e informações que adquirem em textos, e vídeos tanto na internet quanto na TV. E estes textos podendo não ser cientificamente comprovadas. Exemplo da teoria da Terra Plana, a cada dia ganha mais adeptos. O aluno fazendo interpretações pouco fundamentadas e tomam como “verdade” aquilo que vê e ouve, formando assim conceitos errôneos a respeito de vários assuntos ligados a Astronomia, confundindo por vezes mitos e realidades.

Devido ao avanço científico-tecnológico, surgem à necessidade de enfatizar a questão astronômica com as conquistas tecnológicas contemporâneas, uma vez que as condições de vida do ser humano estão interligadas direta ou indiretamente a este conhecimento.

Em virtude da importância da Astronomia enquanto disciplina escolar e falta de sua efetivação na prática. Destacamos a questão da pouca dominação do docente em relação ao conteúdo, como também em uma metodologia de ensino pouco adequada que dificultam o ensino/aprendizagem. Muitos carregam consigo crenças populares, tendo as como científicas, geralmente em razão de uma má formação escolar.

Os PCN’s (Parâmetros Curriculares Nacionais) recomendam fortemente o ensino de Astronomia, principalmente no ensino fundamental de 5ª à 8ª série, embora exista a lei, muitos docentes estão desatualizados a respeito do assunto, utilizando metodologias ineficazes, onde o conhecimento prévio do discente (aluno) nem sempre é respeitado, as aulas pouco criativas puramente expositivas do livro didático resultam em “decoreba” que podem ser esquecidas em pouco tempo, pois se tornam meros espectadores, não absorvendo aquilo que é ensinado.

Boa parte dos professores que lecionam Astronomia possuem pouca ou nenhuma familiaridade com o assunto, devido à desvalorização da disciplina pelos departamentos responsáveis nas próprias Universidades. Como salienta Helio J. Rocha-Pinto (2010), geralmente quem leciona essa matéria no Ensino Fundamental são os professores de Geografia ou Ciências Biológicas, onde na grade curricular nem sempre estão presente a matéria Astronomia. Segundo Demerval Saviani “as universidades ignoram a realidade brasileira, não levando em conta a realidade das escolas do 1º e 2º graus”, ou seja, as Universidades não visam às necessidades das escolas, e as dificuldades que os professores encontraram na docência, havendo grande abismo entre o que é proposto e o que se efetiva na pratica.

Langhi e Nardi (2005) entrevistaram professores que lecionam Astronomia, estes tinham dificuldade em separar os mitos populares como (Astrologia e Horóscopos), do conhecimento científico (Astronomia).

Outro ponto crucial que Langhi destaca é sobre as metodologias adotadas pelos professores entrevistados, apesar de utilizarem vários métodos, estas não obtinham bons resultados, Langhi sobrepõem a “faltam de ideias e sugestões para um ensino contextualizado da Astronomia”.

Os professores se baseiam nos livros didáticos para lecionarem astronomia, mas muitos destes livros apresentam erros conceituais, dificultando ainda mais o ensino/aprendizado, destacaremos alguns dos equívocos clássicos nos livros de Ciências. Por exemplo:

Em alguns materiais o Sol aparece sempre nascendo no ponto cardeal leste e se pondo no Oeste, na verdade esse fenômeno descrito acima só acontece dois dias no ano, não sendo elemento substancial a essa afirmativa. Como salientam Rosa & Roberto;

Durante o ano, o sol nasce em pontos diferentes do lado do nascente e se põe em pontos diferentes do poente, por isso, não podemos dizer que o sol nasce sempre no leste e se põe no oeste, dependendo da época do ano a diferença entre o nascente (ponto onde o sol nasceu) e o leste verdadeiro é grande, portanto, o sol nasce no lado leste de onde estamos e não no ponto cardeal leste, o mesmo acontece com o por, o sol se põe no lado oeste e não no ponto cardeal oeste. (ROSA, Roberto, 2004, p.27).

O Cruzeiro do Sul é ensinado para os alunos a localizar o ponto cardeal sul, mais só localizar a constelação (Cruzeiro do Sul) não significa que você achou o ponto cardeal sul, na verdade o sul se estende 4,5 vezes, a haste mais comprida da Cruz, seguindo uma linha reta (imaginaria) a partir da última estrela (estrela de Magalhães), depois traça uma linha vertical sentido a terra, nessa região que se encontra o ponto cardeal sul, outro ponto que não está bem clara nos livros, é em relação à visibilidade da constelação no céu, pois em certas épocas do ano o aluno não verá a constelação, por que estará muito próximo do horizonte ou abaixo dele, dependendo muito da localização que se encontra o aluno. Assim, a maneira indicada em tais livros didáticos capacita o aluno a se localizar, mais não o fará encontrar exatamente os pontos cardeais.

Os livros didáticos que traz a informação de que Saturno é o único planeta com um sistema de anéis, também se refere a um erro conceitual, pois apesar de não vermos a olho nu, outros planetas também possuem essa característica, é o caso de Júpiter, Urano e Netuno. Além dos anéis, os livros mais desatualizados trazem informações equivocadas sobre o número de Satélites Naturais que orbitam ao redor dos Planetas. Tais informações deixam de vir acompanhadas com observações de que aquele número é o conhecido até a data da publicação do livro, e que, devido a novas descobertas, esse número tende a aumentar, por exemplo, alguns livros didáticos ainda trazem a informação de que Júpiter possui 16 satélites naturais (luas) como destaca Langhi e Nardi (2004), mas sabe-se que ele possui 67 satélites naturais ao todo, quanto ao Sistema Solar completo, sabe-se (até o momento da revisão deste projeto) que os números de satélites naturais de cada planeta são: Terra: 1; Marte: 2; Júpiter: 67; Saturno: 62; Urano: 27; Netuno:14, por esses motivos acima o professor precisa estar sempre se atualizado.

Apresentamos acima apenas algumas das questões que mostram a seriedade do problema por nós analisado, melhor forma de se observar a disparidade entre o que é previsto e o que realmente é feito, se torna elemento base de nossa analise.

Preocupamos sempre com a atualização dos conteúdos, pois a cada dia novas descobertas surgem, e o que hoje é tido como verdade absoluta, amanhã pode não ser mais. Portanto, lutamos para que haja seriedade no ensino da Astronomia em nossas escolas e universidades.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

BANDEIRA. Edvan. A decadência do Ensino de Astronomia em nossas escolas e universidades. Disponível em: http://astronomiareal.blogspot.com.br/2017/05/a-decadencia-do-ensino-de-astronomia-em.html Acesso em: 12 maio 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: Ministério da Educação, 2002a.

BRASIL. Secretaria de Educação Média e Tecnologia. Parâmetros Curriculares Nacionais: ciências naturais (5ª a 8ª séries). Brasília: Secretaria de Educação Fundamental. MEC/SEF, 1998.

BOCZKO, R. Erros comumente encontrados nos livros didáticos do ensino fundamental. In: EXPOASTRO 98 ASTRONOMIA: EDUCAÇÃO E CULTURA, 3, 1998, Diadema. Anais… Diadema: SAAD, 1998. p. 29-34.

DIAS, Claudio André C.M e RITA, Josué R. Santana. Inserção da Astronomia como disciplina curricular do ensino médio. RELEA, n.6, p. 55-65, 2008.

FAZENDA, Ivani. Interdisciplinaridade: História, teoria e pesquisa. Campinas, SP. Papirus, 1994.

FAZENDA, Ivani. A aquisição de uma formação interdisciplinar de professores. Didática e interdisciplinaridade. 13ª Edição, Campinas, SP. Papirus, p. 11-20, 1998.

GASPARIN, João Luis. Uma didática para a pedagogia histórico-crítica.

Campinas: Autores Associados, 2003.

LANGHI, R.; NARDI, R. Dificuldades interpretadas nos discursos de professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental em relação ao ensino da Astronomia. RELEA, n. 2, p. 75-92, 2005.

LANGHI, R.; NARDI, R. Um Estudo Exploratório para a Inserção da Astronomia na Formação de Professores dos anos Iniciais do Ensino Fundamental. In: Anais do IX Encontro Nacional de Pesquisa em Ensino de Física. 2004.

LATTARI, Cleiton Joni Benetti e TREVISAN, Rute Helena. Metodologia para o ensino de astronomia: Uma abordagem construtivista. 2. ed. São Paulo: 1999.

LEITE, Cristina; HOSOUME, Yassuko. Os professores de Ciência e suas formas de pensar a astronomia. Revista Latino-Americana de Educação em Astronomia – RELEA, n. 4, p. 47–68, 2007

PAULA, A. S. P.; OLIVEIRA, H. J. Q. Análises e propostas para o ensino de

Astronomia. 2002. Disponível em: <http://fep.if.usp.br/~profis/arquivos/ivenpec/Arquivos/Orais/ORAL171.pdf> Acesso em: 02 de junho. 2013.

POSSOBOM, C.; OKADA, F.; DINIZ, R. Atividades práticas de laboratório no ensino

de biologia e de ciências: relato de uma experiência. FUNDUNESP.2007.

PEÑA, Maria de los Dolores Jimenez, Interdisciplinaridade: uma questão de atitude. In: FAZENDA, I.C.A.P.(org.)  Práticas interdisciplinares na escola. 8º ed. São Paulo: Cortez, 2001. p.57-64.

ROCHA-PINTO. J.H, Ensino de astronomia na graduação: Disponível

em: < http://www.sab-astro.org.br/cea/white_papers/WP-Ensino-Astronomia.pdf >, acesso em: 01, junho, 2013.

ROSA, Roberto. Cartografia Básica, UFU Uberlância MG. Disponível em: <http://www.ufscar.br/~debe/geo/paginas/tutoriais/pdf/cartografia/Cartografia%20Basica.pdf

> Acesso em: 10 de junho. 2013.

SAVIANI, Dermeval. Participação da Universidade no desenvolvimento nacional: A Universidade e a problemática da Educação e Cultura, Coleção Educação contemporânea, 11ª Edição, 1996.

SAVIANI, Dermeval. Subsídios para o equacionamento do problema do livro didático em face da lei nº 5692/71, Coleção Educação contemporânea, 11ª Edição, 1996.

TREVISAN, R. H. et al. Assessoria na avaliação do conteúdo de Astronomia dos

livros de ciências do primeiro grau. Caderno Catarinense de Ensino de Física,

  1. 14, n. 1, p. 7-16, 1997.
Anúncios